Estratégias para disparar sua produtividade





Faça uma análise criteriosa sobre sua última semana: será que você conseguiu executar todas as tarefas que estavam na sua lista ou nas suas intenções? Se por acaso conseguiu concluir tudo, será que precisou de algumas horas a mais para fazer tudo a que se propôs?
Quem leva a culpa nessa história é a falta de tempo! Nunca temos tempo para fazer o que deveríamos fazer, mas sempre estamos ocupados, fazendo um montão de coisas que não vão nos levar a lugar algum.
Você chega de manhã e tem aquele relatório complexo e chato para fazer. A vontade de realizar esta atividade já está bem fraquinha, aí você resolve passear no seu e-mail, que está cheio de novas mensagens, você abre uma, abre outra, daqui a pouco já está no site navegando no link que estava no e-mail. Neste meio tempo o telefone toca, você aproveita para dar uma passeada no seu Facebook e quando olha no relógio já está quase na hora do almoço. O dia vai assim, passando rapidinho, rapidinho.



O problema não é tempo, tem muitos fatores que nos levam a perder a vontade de fazer. Você pode estar desanimado com o emprego, preocupado com suas finanças, ansioso por alguma coisa ou simplesmente com aquela preguiça que dá na segunda, mas se arrastou para toda a semana.

Não tem administração de tempo que nos permita lutar contra essa preguiça “mental”. Porém, existem fatores que nos ajudam a estimular um estado de maior execução. Claro que não existe uma fórmula única ou mágica, cada pessoa terá seus problemas disparadores de produtividade.

Se quiser uma dica para começar, eu sugiro dar clareza e poucas informações a seu cérebro. Você faz isso olhando para tudo que tem para fazer, para toda a confusão mental, filtrando suas informações no ambiente, seus e-mails e transformando tudo em uma lista de atividades para os próximos três dias, bem concisa, objetiva e com folga.

Agora que sabe o que fazer, é preciso ter alguma âncora interna que dispare sua produtividade. Tem gente que consegue isso naturalmente, a partir do momento em que sabe o que fazer. Tem gente que nunca consegue facilmente executar e tem dias que são fáceis e outros não.

Criar essa âncora interna significa desenvolver alguma coisa que ajude você a entrar em um estado de foco que leve a execução. Eu por exemplo, quando tenho algo complicado para fazer, gosto de música no fone. Em outros momentos eu preciso comer uma barrinha e tomar bastante água. São “pequenos truques” que dizem para o meu cérebro que é hora de fazer e obviamente, que para funcionar, não podem ser banalizados.

Entrar em execução é um passo, agora manter-se em execução depende da sua capacidade de retirar do ambiente possíveis distrações, e isso significa fechar seu navegador, desligar seu e-mail enquanto estiver executando a atividade da lista, deixar o celular no silencioso, etc.

Outra estratégia que também é útil para muitas pessoas é associar a atividade a algo maior, ou seja, dar a verdadeira relevância da execução da atividade. O que completar a atividade vai trazer de positivo para você? Ou o que completar a atividade vai evitar que aconteça? Seja pelo bem ou pelo mal, pensar nos “porquês” pode ajudar também.

Fazer o que precisa ser feito não é fácil, é uma luta diária, todo mundo uma hora ou outra se perde nesse ciclo do “não fazer”, é normal. O problema é quando isso se transforma no seu padrão de rotina, aí falta tempo, falta tesão, falta execução!

Se estiver difícil de executar, pare e reflita sobre o assunto, descubra formas que possam funcionar para você e experimente. A vida passa rápido demais se a gente não faz o que deveria fazer.
Christian Barbosa.





Postar um comentário