O Líder e a Consistência

Em nossos trabalhos de Planejamento Estratégico, Estratégia de Ambiente Humano e Liderança a palavra Consistência tem aparecido como prioridade a todo momento. Realmente, parece que o antídoto, a grande ferramenta, a resposta mais apropriada a este complexo momento é muita CONSISTÊNCIA.

Eu entendo que, no principio de nossas reflexões vale um pequeno passeio pelo campo etimológico, verificando de maneira heterodoxa as diversas dimensões desta palavra, em suas diversas origens. Antônio Houaiss, no seu Dicionário da Língua Portuguesa nos brinda com dezenas de significados. Apenas alguns deles: homogeneidade, coerência, firmeza, capacidade, aderência, solidez, veracidade, credibilidade, realidade, firmeza de caráter, estabilidade de opinião. Em termos lingüísticos esta lista parcial é suficiente para justificar o grau de importância acima referido. Um líder que tenha estes atributos estaria certamente, com oitenta por cento de sua efetividade garantida.

Poderíamos em termos figurativos, de uma maneira mais próxima verificar usos pragmáticos desta palavra. Para um engenheiro uma obra com consistência é quando ela tem solidez; para um arquiteto é quando um projeto tem harmonia e coerência; Para um cozinheiro é quando a massa do bolo tem firmeza e para um filosófo é quando um pensamento tem profundidade.


Simplificando, este é um quadrilátero de atributos para o Líder do Século XXI: Harmonia / Coerência, Firmeza, Profundidade, Solidez.


O mundo de hoje exige este tipo de resposta porque é necessário que se forme um túnel (para ficar na metáfora arquitetônica) dotado de grande força, capaz de sobreviver aos abalos do Ambiente Externo. O Líder do Século XXI tem que criar no micro-universo de sua organização um canal virtuoso de oportunidades e crescimento. Vivemos uma época de reconstrução onde paradigmas, não só são quebrados, como são arrebentados. Nem a mais respeitada empresa fica imune ao constante ataque de mudanças. Por isto a resposta da consistência.


Será necessário a este Líder ter a consistência da consciência e do entendimento mais profundo (de novo consistente) do que significa em verdade a mudança deste momento. É preciso, e com grande ênfase no Comercio Varejista, saber o verdadeiro (verdade, veracidade) impacto do que é novo. Saber discernir com densidade, o que é novo do que é novidade, e mais do que tudo ter flexibilidade e inteligência para a adequação.


Todo este movimento só terá êxito se um sólido conhecimento embasar com firmeza as decisões tomadas. Inteligência Competitiva é palavra chave nesta época de complexidade. Empresários terão que dominar com consistência (de novo ela) o entendimento de toda a cadeia produtiva de seu negócio, desde a estrutura de seus fornecedores até a expectativa e percepção de valor agregado de seus clientes, passando é claro por processos operacionais, desenvolvimento de Seres Humanos, e até da sua relação com a comunidade. Esta Nova Lógica do Lucro tem que ser incorporada ao modelo mental do empreendedor contemporâneo. Lucro não é fim em si mesmo; lucro é subproduto de coisas bem feitas. Querer só dinheiro, não tem consistência, agregar valor tem consistência, é profundo, harmonioso, coerente, denso, sólido. Por isto pense no assunto, e incorpore esta palavra em seu paradigma. Escreva nos murais de sua empresa em letras bem grandes! CONSISTÊNCIA.
Postar um comentário