APRENDA A CUIDAR DO SEU DINHEIRO

1. O ORÇAMENTO DOMÉSTICO

O Planejamento Financeiro é a necessidade básica para uma Família que pretende ter as contas em dia e com isso levar uma vida sem estresse. O Orçamento Doméstico é o principal instrumento utilizado para se fazer o Planejamento Financeiro para hoje, para amanhã e para dias futuros. É utilizado como ferramenta para se planejar um equilíbrio entre as Receitas e as Despesas nas contas do lar-doce-lar.

1.1 A IMPORTÂNCIA DE FAZER UM ORÇAMENTO DOMÉSTICO

O Governo para fazer o seu Planejamento Financeiro também tem Orçamento: quem acompanha notícias econômicas, anualmente vê manchetes diárias sobre a negociação do Orçamento do Governo, regulada pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que dá as normas para a sua elaboração. Por meio desse instrumento o Governo procura não gastar mais do que arrecada: caso contrário, ou se endivida -- tomando dinheiro emprestado ao vender títulos para o público -- ou fabrica dinheiro, gerando inflação. Nas Empresas, o Planejamento Financeiro se faz por meio de um Orçamento Empresarial, que é a peça fundamental para o controle das Receitas e Despesas. É uma matéria estudada exaustivamente em livros e em manuais especializados, em cursos de graduação e de pós-graduação, de modo a preparar os executivos para uma boa gestão empresarial. No caso das Famílias, o Orçamento Doméstico costuma ser desconhecido ou ignorado. Resultado: em muitas famílias as despesas ficam fora de controle e é muito comum faltar dinheiro antes do mês acabar. Aí a coisa fica feia. Sobrando mês e faltando dinheiro, entra-se no cheque especial, se paga juros, não se quita a fatura do cartão de crédito, entra-se no crédito rotativo, se paga mais juros, o dinheiro que entra de novo não dá para chegar ao fim do mês, vira uma bola-de-neve, e foi-se a economia familiar... Um esforço para se fazer um orçamento é recomendado nesses casos, mas, como tudo na vida, não é fácil. Fala-se em esforço porque as dificuldades são muitas e é preciso uma grande força de vontade e um envolvimento consciente de todas as pessoas da casa. Todos os membros da família que forem responsáveis por gastos e despesas precisam estar comprometidos com o projeto de estruturação do Orçamento Doméstico e dispostos a colaborar, senão a coisa não vai funcionar... Para se chegar ao Orçamento Doméstico para valer, vai ser necessário passar por três fases distintas: 1ªfase: Levantamento do valor das despesas que se acha estar sendo feitas durante um mês na base do “chute”. 2ªfase: Apuração e registro diário das despesas realmente acontecidas no mês seguinte. Será a base para se estruturar o Orçamento Doméstico para valer! 3ªfase: Após examinar o que aconteceu, deve-se iniciar a avaliação, programar possíveis cortes e fazer previsão dos valores que poderão ser gastos no mês que se segue; esse será o Orçamento Doméstico para valer daí para frente, todos os meses, com acompanhamento e ajustes.

1.2 PRIMEIRA FASE: MONTAR UM ORÇAMENTO NO “CHUTE”

A primeira coisa que o responsável pela tarefa vai ter que fazer é examinar atentamente a PLANILHA, item por item, para então identificar as Receitas e Despesas que acontecem num mês, cuidadosamente, tentando, na base do “chute” descobrir quanto se anda gastando por aí... Por enquanto vai-se fazer uma apuração de Receitas e Despesas já acontecidas (no Orçamento para valer, mais adiante, será um planejamento...). Tire várias cópias da PLANILHA DO ORÇAMENTO antes de começar. A partir daí, deve-se anotar os valores que foram determinados pelo seu “achômetro” nos respectivos itens da planilha, de modo a se ter uma idéia de como as coisas estão acontecendo sem controle. Pronto, estará cumprida a 1ª fase! Embora isso seja uma apuração de fatos já acontecidos descontroladamente, teremos um precário 1ºrascunho do que será o Orçamento da casa. Esse levantamento de despesas, feito no “chute” com os fatos já acontecidos, servirá para ser comparado com aquele que no futuro será planejado, que realmente será para valer. As dicas a seguir vão ajudar a enfrentar a 2ª fase. As surpresas serão muitas...

1.3 COMO IDENTIFICAR E SEPARAR AS DESPESAS

Os principais grupos de despesas que devem constituir um Orçamento Doméstico padrão são: Morar, Comer, Ir e Vir, Vestir, Estudar, Lazer, Saúde e Despesas Financeiras. Uma rápida olhada na Planilha permitirá identificar os principais itens de despesas de cada grupo. Usando um “economês” clássico, podemos fazer uma analogia e dizer que há despesas elásticas, que são aquelas que podem ser comprimidas e outras são inelásticas, ou seja, não adianta tentar que não há como fazer com que diminuam. Vamos examinar dentro desses grandes grupos quais são as despesas mais comuns e que têm influência no Orçamento Doméstico, bem como ver que dicas e segredos podem ajudar na diminuição dos valores e no seu efetivo controle.

I - MORAR

Na família padrão brasileira a moradia e as despesas para morar representam 30% dos gastos totais. O ALUGUEL OU A PRESTAÇÃO de compra de um imóvel, são itens praticamente inelásticos, ou seja, não dá para baixar o valor, a menos que se tenha que mudar de casa porque não dá para agüentar essa despesa. Em relação ao aluguel é importante o momento de reajuste, pois os contratos prevêem índices de reajuste para manter o equilíbrio no preço do aluguel em relação ao mercado, protegendo inquilinos e proprietários. No entanto, tem sido comum o descolamento desses índices em relação ao valor de mercado, daí deve haver negociação entre as partes e um acordo é o recomendado, caso contrário vale até mudar de imóvel, deixando o proprietário cabeça dura ao sabor desse mesmo mercado com o imóvel vazio. Caso queiram cobrar multa pela rescisão vale procurar um advogado e entrar na justiça. Para quem paga CONDOMÍNIO o importante é acompanhar a evolução das despesas que se refletem no seu valor. Porém, isso implica em ter que se ocupar do assunto e até mesmo aceitar ser Síndico, atividade que não é lá uma tarefa muito agradável... Em se tratando de Aluguéis ou do Condomínio, quando for cobrada uma multa “contratada” que é sempre absurda, por atraso de um ou dois dias, vá negociar o abono com o Síndico ou a Administradora. Se após negociação para aliviar a multa fizerem jogo duro, avise que só vai pagar no mês seguinte, que para você não acontece nada, mas quero só ver se o dono do imóvel vai gostar... Despesas com MANUTENÇÃO da casa e negociação de salários de EMPREGADOS domésticos devem ter argumentos para negociação, comparando o tempo gasto no serviço com o valor-hora do salário mínimo.Com paciência se consegue redução no primeiro preço cobrado. IMPOSTOS são despesas inelásticas e a única coisa a fazer é tentar pagar a vista porque o desconto costuma valer a pena. SEGUROS devem ser cotados por um bom corretor junto a empresas reconhecidamente idôneas: ninguém torce para acontecer o sinistro, porém se o destino assim determinar, é bom que a Seguradora seja séria e que a cobertura tenha sido bem feita. ÁGUA, LUZ E GÁS devem e podem ser controlados no dia-a-dia com todo o rigor, com as conhecidas providências tão bem assimiladas e bem sucedidas por ocasião do racionamento de energia elétrica. Evitar o desperdício é uma obrigação de todos para benefício do País e ainda poupa para o seu bolso. TELEFONES são hoje dos maiores cupins do Orçamento Doméstico, principalmente por causa dos CELULARES. Apesar da propalada concorrência entre as operadoras, os reajustes atingem todos os usuários, os quais se tornam presas dos impulsos desnecessários. Vale impedir a promiscuidade no uso entre fixos e celulares, bloqueando as ligações de telefones fixos para celulares, que deve incluir o bloqueio das abusivas ligações a cobrar. Evitar o uso desnecessário do celular, cujos impulsos custam mais de 20 vezes mais do que os fixos. Lembrar também que a ligação do pré-pago é muito mais cara que a do pós-pago, donde vale a pena estudar como se usa o equipamento para escolher a melhor opção. Se a coisa estiver feia mesmo, PARE de usar o celular! É importante identificar os horários mais baratos consultando as regras operacionais das concessionárias, principalmente nos interurbanos, que independente de promoções momentâneas, têm horários de tarifas com descontos e pacotes especiais que devem ser comparados com diversas operadoras, visto que já há a portabilidade. A INTERNET é outro problema, pois tem o custo do servidor ou da linha telefônica, ainda mais porque todos “esquecem” o computador ligado. Vale estudar sua utilização para tentar otimizar o uso e os sistemas contratados. Para quem tem o vício de ficar navegando na procura de sites com novidades, de salas de bate papo ou redes sociais para intermináveis conversas ou namoro, vale lembrar que energia elétrica tem custo. Os BENS ADQUIRIDOS quase sempre são uma opção sua, a menos que se trate de algum que quebrou e não tenha mais jeito, tipo geladeira ou máquina de lavar. Outros bens, tipo trocar a TV por um “home theater”, só quando a grana estiver sobrando e a oferta for irrecusável. Mesmo assim, como todos os outros desembolsos, uma compra dessa natureza deve ser planejada antes. A decisão de comprar ou trocar de carro, então, merece especial atenção, pois se for a prazo tem que saber identificar bem as taxas de juros, senão dança! Se o prazo for longo corre-se o risco de levar um e pagar dois ou mais carros. Carro não é investimento: é despesa!

II - COMER

As despesas com ALIMENTAÇÃO têm peso de cerca 25% no total dos gastos de uma família padrão brasileira e é um grupo onde se pode fazer muita economia sabendo administrar as compras. Examine com cuidado como proceder e siga as instruções clássicas: há muito espaço para economizar! Entre elas: não ir às compras com fome, se não vai gastar mais; levar lista de compras para não esquecer o que é necessário e não comprar supérfluos; verificar a validade dos produtos para não perder o prazo para consumo; acompanhar o registro dos preços na caixa; ir toda semana aos supermercados para ter intimidade com os preços de modo a aproveitar promoções verdadeiras e fazer estoque de produtos não perecíveis. Aqui o item REFEIÇÕES refere-se às despesas de alimentação fora de casa por conta de refeições comercias, durante o horário de trabalho, muitas vezes subsidiadas por tíquetes de alimentação. Jamais venda seus tíquetes para agiotas, pois estará fazendo papel de otário: qualquer amigo ou parente pode trocar de graça em caso de necessidade, basta ter bom papo... Lembrar que, para quem come pouco, a comida a quilo é mais barata, evitando as frutas como sobremesa porque pesam muito e sai caro. Uma boa dica: as melhores iguarias estão no final da bancada porque são as que custam mais para o restaurante e ele quer economizar no que custa mais caro. Despesas com drinques tipo “happy hour” não podem ser classificadas neste grupo , pois são atividades de lazer, donde você não deve enganar a si próprio. De uma boa PADARIA ninguém escapa, pelo menos para comprar o pãozinho quente, e só, pois outros produtos são mais caros que Supermercados. Cuidado: estes normalmente têm pão fresco mais barato, mas até chegar em casa de volta já esfriou e além do mais corre-se o risco de ir lá comprar pão e sair comprando muitas outras coisa que nem precisa.

III - VESTIR

A regra geral para economizar em ROUPAS e CALÇADOS já é bastante conhecida: só comprar em liquidações (principalmente roupas e calçados de crianças que perdem logo no tamanho porque crescem rápido), as quais costumam acontecer em finais de estação, mais no verão e no inverno, por isso chamadas de fim de estoque. Atenção: não comprar o que não precisa só porque é liquidação... Convencer as mulheres de comprar depois que passou a moda da estação é meio difícil, mas aí a regra é ter consciência da extrema variação de preços entre lojas e gastar sola de sapato pesquisando e pechinchando. No caso das crianças é bom resistir aos seus apelos e choros e lembrar da necessidade de economizar para respeitar o Orçamento Doméstico.

IV - IR e VIR

A decisão de ir trabalhar usando o carro ou o transporte coletivo cada vez mais precisa ser avaliada, pois o combustível está ficando cada vez mais caro, além do ESTACIONAMENTO que leva uma grana todos os dias. Quem tem metrô ao alcance não deve vacilar, pois além de sair mais barato garante chegada em tempo nos compromissos sem o estresse do trânsito e da indústria de MULTAS do governo-goela-grande. As PASSAGENS de vans e ônibus também saem bem mais baratas que sair de carro, a menos dos assaltos em ônibus, caso típico da guerra urbana diária de algumas cidades. Nos fins de semana, porém, o carro sai à rua e a OFICINA é um item que precisa ser previsto quando se tratar de revisões programadas; a manutenção preventiva evita os imprevistos e traz mais segurança, diminuindo o risco de acidentes, o que também contribui para economizar. Cuidado com as oficinas autorizadas: cheque a mão de obra e o preço das peças pedindo para obter desconto por ser cliente fiel que eles fazem.

V - CUIDADOS PESSOAIS

O itens de despesas em SALÃO, tais como CORTE de CABELO e ESCOVA, bem como MANICURA e DEPILAÇÃO também constituem um ralo por onde escorre muito dinheiro, principalmente para quem freqüenta salão toda semana. Paciência, pois quem não gosta de uma mulher bem cuidada? A dica é ir ao salão para fazer unhas, cuidar do cabelo ou depilar, somente de 2ª a 4ªfeira, dias que têm grandes descontos. Pechinche! As mulheres, para economizar, podem fazer muito disso em casa mesmo. Para os homens também vale fazer a barba em casa e basta estender o prazo entre os cortes de cabelo, obedecendo inclusive ao ciclo da lua. Corte entre lua minguante e lua nova faz com que o cabelo leve mais tempo para crescer... Propor a uma mulher para ela deixar de comprar xampus especiais, cremes hidratantes e outros cosméticos afins, é arranjar briga na certa, ou no mínimo declarar uma guerra surda com direito à abstinência sexual e tudo mais. Daí, mais uma vez, paciência, porque pode se dizer que devido à essas circunstâncias, na prática, esse é um item de despesa inelástico... O item ACADEMIA DE GINÁSTICA poderia ser classificado também em Saúde ou Lazer, porém a grande motivação de hoje em dia é por conta das expectativas de esbelteza masculina e feminina, donde todos querem malhar para ficar em forma, o que aliás é uma prática bastante saudável. O único cuidado é que quem na família se candidatar a pagar matrícula e mensalidade não pode saltar fora, não pode abandonar, “tem que saltar dentro”!

VI - ESTUDAR

Dinheiro gasto em estudo não devia ser despesa: é investimento! Quem tiver filhos em COLÉGIO particular tem que agüentar a barra, porque vai ter que saber negociar todos os anos os reajustes, inclusive com ameaças de largar aquela escola. E o ensino público nessa fase deixa a desejar, com raras exceções. Quando tiver mais de um filho no mesmo colégio tem que fazer valer seu poder de mercado e pedir um redução, no segundo, de pelo menos 20% na mensalidade, e com mais filhos mais outros descontos em progressão. Dado o grande risco de inadimplência nas escolas particulares é possível negociar um bom desconto oferecendo para pagar o semestre ou o ano antecipados... Quando chegar a hora da FACULDADE, deve ser uma exigência para os filhos que concorram a uma do governo, que além de serem gratuitas em geral têm bom ensino. As pagas, particulares, custam uma grana e nem todas são lá muito boas, o contrário do que acontece no ensino fundamental. É difícil passar no vestibular para uma dessas públicas gratuitas, aliás, uma injustiça, pois quem menos precisa é quem entra. Deviam ser todas pagas para quem pudesse pagar e ter bolsa de estudos para quem precisasse e merecesse pelo seu desempenho lá dentro. Por enquanto, não adianta chorar: tem que botar a moçada para estudar e passar no vestibular de Universidade gratuita. Todo ano tem a tal lista de MATERIAL ESCOLAR e haja grana para atender aos pedidos dos colégios, principalmente porque todo ano mudam os livros escolares e fica difícil aproveitar os livros entre irmãos. Se houver paciência para examinar os livros pedidos até dá para usar, mas é preciso que os filhos vadios aceitem sem reclamar para depois não botar a culpa de maus resultados nesse fato. Vale a pena que grupos de pais de alunos comprem em conjunto para obterem bons descontos comprando nas Editoras. Os LIVROS, JORNAIS e REVISTAS são indispensáveis para uma boa educação, mas é importante fazer uma seleção dessas leituras para escolher bons jornais e revistas com conteúdo. “Quem não lê, não fala, não ouve, não vê” Nada de deixar comprar revistas de fofocas e de novelas, pois há coisa muito melhor nas bancas de jornais. Quanto a livros, atenção: dinheiro gasto em bons livros, que sejam lidos, não deve ser considerado despesa, pois é investimento. Os CURSOS de línguas já são indispensáveis, principalmente de Inglês, mas os pais devem cobrar resultados dos filhos e não dar moleza, senão é dinheiro jogado fora. Fazer curso de computador para iniciantes vale a pena, pois quem não souber computação e não navegar na Internet “tá fora”. Para ensinar os filhos desde pequenos a lidar com as suas contas é bastante interessante dar uma MESADA que é um mini-orçamento para a garotada. Eles ficam logo sabendo o valor do dinheiro e se acabar antes da hora vão se cuidar no mês seguinte. Quem ganhar mesada não deve receber nada por conta da MERENDA, cujo valor mensal deve estar incluído nas contas previstas. Vale a pena ensinar a garotada a lidar com as dificuldades que irão surgir.

VII - SAÚDE

Todo mundo hoje tem que ter SEGURO SAÚDE, pois o governo não atende a contento. Um consolo é que dentre os benefícios que as empresas dão aos seus funcionários o mais comum é a adesão a um Plano de Saúde, com extensão aos dependentes, donde não se gasta com esse importante item de despesa. O SEGURO DE VIDA deve ser feito por quem tem responsabilidades familiares para não correr riscos e relaxar os membros da família neste mundo agressivo e violento em que vivemos. Como sempre, é indispensável a escolha de corretor idôneo e de confiança. MÉDICOS e DENTISTAS quando escolhidos particularmente, por questão de confiança, e não pagos por Planos de Saúde podem custar caro. No entanto ninguém deve ter maiores pudores de chorar nos preços, pois a vida está cara para todos e há a tendência de ser descontado no cliente particular a raiva que eles têm dos Planos, que pagam pouco desmerecendo suas qualificações. PSICÓLOGOS e FISIOTERAPEUTAS costumam atender durante muitas sessões até o cliente estar curado ou receber alta, donde é válido negociar um pacote com boa redução no preço unitário das consultas. EXAMES pagos a parte dos Planos são despesas inelásticas, mas vale pesquisar preços entre laboratórios e clínicas idôneas para conseguir um melhor preço. Os preços de remédios nas FARMÁCIAS estão sujeitos a grandes variações de preços, donde é indispensável pesquisar, pechinchar e cotejar preços, sempre comparando os produtos de laboratórios idôneos. Cuidado com a prática de “empurroterapia” de atendentes de farmácias inescrupulosas, os quais tentam empurrar produtos sem qualidade onde ganham comissões.

VIII - LAZER

Os assinantes de TV A CABO e as LOCADORAS na prática são concorrentes, donde deve ser bem avaliadas as condições de uso desses serviços para não haver desperdícios, pois não adianta assinar o serviço e não ter ninguém usando. Fazendo as contas, vai-se ver que o custo diário é grande se não houver amortização dos valores pagos. O CINEMA também sofre essa concorrência como programa, mas é muito melhor assistir filmes recém lançados nas salas de projeção do que interrompido em casa por crianças e telefones. Quem se dispuser a economizar deve escolher dias de semana, quando as promoções às vezes chegam até a 50% de desconto. E atenção a convênios de desconto com cartões de crédito e operadoras de celular. As interpretações dos artistas ao vivo nos TEATROS têm seu mercado cativo para quem gosta, o problema é o preço nos fins-de-semana que são muito mais caro que nos dias que não podemos ir, aliás, quase sempre uma única 5ªfeira.... SHOWS de cantores caros e famosos podem muitas vezes ser vistos de graça, em promoções populares, donde se quiser economizar basta ter paciência. O mesmo se passa com os EVENTOS tipo exposições e feiras que muitas vezes oferecem promoções gratuitas. Comprar CD’s e DVD’s só mesmo para quem tem grana, ainda mais agora que sempre tem um amigo rico que já tem gravador em casa e pode lhe fazer uma cópia de graça. Os maiores interessados, a garotada, tem tempo para ficar esperando tocar na rádio e gravar. È o caso também com down load de filmes que são oferecidos na internet Quem freqüenta um CLUBE sempre tira muita vantagem de tudo que lhe é oferecido por uma taxa de manutenção razoável, mas para quem não vai nunca o valor é muito alto e torna-se um desperdício, donde é importante avaliar essa situação e tomar as devidas providências. Quem é sócio tem que tratar de aproveitar, pois tudo lá costuma ser grátis... Talvez a mais agradável atividade de lazer seja VIAJAR, o que implica em planejar antecipadamente os gastos e poupar para pagar a vista. Atenção: quem viaja a prazo pode dar testemunho de quanto dói pagar mensalmente prestações depois de já ter consumido o produto e prazer da viagem, além de ter que pagar juros..

IX - DESPESAS FINANCEIRAS

Essas despesas são os cupins que corroem o dia-a-dia do seu rico dinheirinho, donde todo o esforço deve ser feito para eliminar o mais rápido possível os fatores causadores desses problemas que podem se tornar fatais. Quanto ao IR - IMPOSTO DE RENDA A PAGAR classificado aqui, trata-se da na maioria dos casos de complementação, se for devida, dos valores que no ato do recebimento dos salários foram descontados na fonte. Esses valores, depois de notificados, não têm mais como serem economizados. Vale pagar “numa boa”, feliz da vida, pois é sinal que se ganhou dinheiro; aliás, é o imposto mais justo de todos, pago somente por quem tem alguma renda de trabalho ou de aplicações financeiras ou por conta de algum lucro na venda de bens. Em compensação, os impostos indiretos, que são os responsáveis pela maior parte da arrecadação do governo, são os mais injustos: ricos e pobres pagam o mesmo valor ao consumirem a carne, o leite, a cerveja e todos os alimentos e bens de consumo duráveis... É realmente uma grande injustiça social. Por causa da vulnerabilidade da nossa Economia, por conta de governos irresponsáveis que já não respeitaram contratos, os juros no País são muito altos., Nossos juros reais são os mais altos do mundo e atraem toda sorte de especuladores internacionais, quando deveriam atrair os investidores internacionais para investimento produtivo direto. O que interessa para o País é o capital para o chamado investimento direto, que é produtivo: gera empregos e traz desenvolvimento, e não corre atrás da nossa, infelizmente, maior taxa de juros real do mundo. Assim, com essa desculpa esfarrapada os JUROS DE EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS no Brasil são altíssimos e quase impagáveis. Daí, quem cair nas malhas dos bancos vai ficar mal de vida, muito mais ainda quem estiver endividado no CHEQUE ESPECIAL ou no ROTATIVO DOS CARTÕES DE CRÉDITO, correndo na frente de uma bola de neve. Quem estiver endividado no Cheque Especial, ou no Cartão de Crédito, deve deixar esses dois perigosos e sedutores instrumentos do marketing em casa. Sobre as TARIFAS BANCÁRIAS é sempre bom lembrar que existe uma pequena concorrência entre o Cartel dos Bancos e por isso é possível negociar e escolher onde operar com tarifas mais baratas, sem nenhum receio de mudar de banco. Vale negociar um bom pacote de serviços adequado à movimentação de cada cliente. Essa prática de inscrever nos cheques a “data desde quando você tem conta no banco”, foi criada para você ficar escravo de suas tarifas por medo de ir para uma conta nova em outro banco, mas não adianta nada: se faltar um saldinho na sua conta vão devolver o cheque do mesmo jeito e botar a culpa no Sistema, já que os bancos parecem não ter mais funcionários para realmente atender os clientes, somente computadores sem pai nem mãe... Quanto às MULTAS POR ATRASOS DIVERSOS, é importante lembrar que um só dia de atraso pode lhe dar um grande prejuízo, por isso trate de se organizar e não esquecer das datas de vencimento. A desorganização sai muito caro para quem não se cuida e vive na bagunça. Nesses casos, em se tratando de Aluguéis ou o Condomínio, se após negociação para aliviar a multa fizerem jogo duro, avise que só vai pagar no mês seguinte que não acontece nada! Quero só ver se o locador vai gostar...

1.4 SEGUNDA FASE: APURAÇÃO DAS DESPESAS DE UM MÊS

Após o primeiro “chute orçamentário”, e já sabendo identificar as despesas, vai começar a 2ª fase, que se constitui de uma apuração mais cuidadosa do que se está gastando. Isso porque agora as despesas serão anotadas sem “chute”, sendo a realidade das despesas do mês, provavelmente com muita gordura para cortar após uma cuidadosa avaliação da necessidade de alguns gastos. As tarefas terão que seguir uma rotina de força de vontade e propósito familiar, com a participação de todos os envolvidos, de modo a se identificar a as reais necessidades do que se passa na economia da casa. Nesta fase vai ser necessário passar por essas etapas de coletas de informações para depois descobrir qual é o ralo por onde sai o dinheiro da família. Depois de identificadas, as despesas serão anotadas e classificadas nos grupos na forma que acabou de ser vista. Esses valores devem ser classificados nos grupos conforme sua natureza, e registrados na PLANILHA DE ORÇAMENTO que servirá para futura análise no fim do mês. Quanto à Receita todo mundo sabe que é bem mais fácil controlar: em geral é salário, renda ou faturamento, ou eventuais ganhos mensais. Não é preciso exagerar no rigor das providências, mas o ideal é que, no início do mês escolhido para começar, em reunião uma vez por semana ( o mais fácil é às segundas-feiras), sejam anotadas as despesas efetuadas na semana que passou por todas as pessoas envolvidas. Se não der para reunir o pessoal todas as semanas, não deve haver desânimo: basta fazer uma sim, uma não, desde que cada um tenha lembrança dos seus gastos e leve os valores para a “central de controle”. É preciso se adaptar às condições possíveis para não haver desânimo, pois essa tarefa deve durar o mês inteiro Após esse mês de apuração, estará cumprida parte da 2ª fase do processo, e estará dado o passo inicial para mais adiante entrar na 3ª fase e ser preparado o primeiro Orçamento Doméstico para valer...

1.5 COMPARANDO O CHUTE COM O QUE ACONTECE DE FATO

Passado esse mês de relativo estresse ( pois surgem muitas discussões familiares durante as reuniões de apuração), as despesas apuradas durante as semanas já deverão estar organizadas, discutidas e anotadas na respectiva Planilha Orçamentária. Será então possível comparar aquele rascunho anterior feito na 1ª fase na base do “chute”, com o que realmente aconteceu e que foi registrado na Planilha preenchida nesta 2ª fase. Praticamente, poder-se-ia dizer que estará se fazendo a primeira comparação de um “Chute” com um “Acontecido”, momento em que muitos vão tomar um grande susto: a diferença vai estar no entorno de 30% a mais! Neste caso o “Chute” terá sido aquele feito com leves lembranças e o “Acontecido” aquele desse primeiro mês de apuração semanal para valer, quando tudo começou a ser organizado e nada foi esquecido, mostrando a realidade e todos os gastos supérfluos.. Com certeza, ninguém podia imaginar que existiam tantas despesas desnecessárias ou supérfluas, as quais poderiam ter sido evitadas e direcionadas para melhor aproveitamento. Calma: o susto que você terá tomado ao descobrir o quanto se gastou sem precisar é muito comum, pois acontece com todo mundo!

1.6 TERCEIRA FASE: O ORÇAMENTO PARA VALER ou COMO PLANEJAR E CORTAR DESPESAS PARA FAZER SOBRAR

E agora, que providências tomar a partir daí? Agora se vai passar para a 3ª fase, aquela em que vai ser feito um Orçamento Doméstico para valer, com todas as regras e dicas para o controle das contas da casa funcionar “numa boa”, com tudo planejado. De acordo com a identificação e separação das despesas nos grandes grupos, vai ser agora muito importante analisar tudo que foi gasto no mês que passou para tentar cortar despesas no futuro. Porém, o que já aconteceu, “já era”, como vai dizer a garotada ao se reclamar dos gastos supérfluos que foram sendo observados. Bola prá frente! O fato é que existiam muitas despesas desnecessárias que ninguém notava. A partir daí, no entanto, deve ser feita uma programação com base no que foi identificado e enxugados todos os gastos feitos sem controle. Chegamos lá! Todas as despesas aprovadas para o mês seguinte, conforme a análise do que se viu no mês passado, e outros novos gastos que sejam necessários, devem ser registrados no ORÇAMENTO DOMÉSTICO para o mês seguinte. Conforme a identificação e o exame que foram feitos para a boa administração das despesas de cada grande grupo, toda despesa deverá passar por uma análise criteriosa e se for possível sofrerá cortes programados para o mês que vai entrar. Os valores assim projetados deverão ser aprovados por todos, constituindo os limites para todas as despesas que poderão ser efetuadas no próximo período de um mês. E depois, se tudo estiver funcionando bem, mês a mês. Este será o seu ORÇAMENTO DOMÉSTICO, aquele que deverá ser obedecido, acompanhado e ajustado mês após mês. Será o instrumento que vai dizer o quanto pode ser gasto em cada item de despesa da casa. Por exemplo: se “aquela” despesa relativa à compra de um velocípede novo para o seu filho não estiver programada, nada feito! Você não deverá comprá-lo, senão irá estourar o Orçamento! Deve esperar essa despesa estar programada no tempo devido. Outro exemplo: se no meio do mês já tiver sido gasto o valor previsto para aluguel de vídeos, já era: não se pode mais gastar em aluguel de vídeo até o mês que vem! E de preferência veja filmes da sua TV a Cabo vai estar paga. No entanto, é evidente que algumas despesas não previstas acabarão acontecendo, caso de alguma consulta médica de emergência ou do carro que pifou e teve que ir para a oficina, mas isso faz parte do jogo. Está visto como deve funcionar a coisa? O Orçamento Doméstico tem que ser sempre respeitado para ter o efeito desejado e valer como instrumento de controle. E o mais importante: o Orçamento Doméstico deverá estar projetando um Saldo positivo, isto é, as Receitas previstas menos as Despesas previstas deverão estar projetando um Saldo para aplicação como investimento. Caso contrário, a coisa estará feia e providências drásticas terão que ser tomadas!

1.7 ADMINISTRANDO O ORÇAMENTO COM SUCESSO

Após a 3ª fase, que estruturou o Orçamento propriamente dito mostrando a previsão de Receitas e Despesas que deverão acontecer no mês seguinte, resta acompanhar de perto como vai funcionar a coisa. Os valores previstos existem para serem respeitados e obedecidos, mas o acompanhamento será indispensável para saber se a turma está “dançando conforme a música”, isto é, se o que foi orçado foi cumprido. O problema é que raramente é isso o que se passa, pois o cotidiano é cheio de surpresas, e os valores podem variar bastante de acordo com situações de momento, com os imprevistos abagunçando o controle. É, então, fundamental se fazer o acompanhamento do Orçamento Doméstico, verificando os valores de fato acontecidos para comparar com os valores que estavam previstos. As diferenças verificadas ao comparar os valores previstos com o que acabou acontecendo vão mostrar o quanto é preciso melhorar as previsões feitas. Importante lembrar que o Orçamento Doméstico aprovado deve ser obedecido, de modo que não devem ser feitas maiores concessões a gastos não orçados, no mínimo para que de outra vez se capriche mais na previsão. Afinal de contas, as famílias não podem proceder como os governos, que são useiros e vezeiros em gastar mais do que arrecadam! Uma contínua utilização do Orçamento Doméstico para uma boa administração das contas familiares será possível pela aplicação dos conceitos e procedimentos apresentados. Mas se houver furos em alguns valores previstos, o mundo não deve vir abaixo. Basta analisar o que está acontecendo e reavaliar as previsões. Com certeza os bons resultados obtidos serão comemorados: ou pela maior sobra de recursos para aplicação ou, pelo menos, por uma redução de despesas que venha a diminuir progressivamente saldos negativos.

1.8 EXEMPLO DE UM ORÇAMENTO BÁSICO

Segundo pesquisas recentes, a estrutura orçamentária de uma família brasileira padrão tem suas despesas distribuídas com os percentuais: 30% para Moradia, 25% para Alimentação, 12% para Saúde e Higiene Pessoal, 8% para Educação e Cultura, 15% para Transportes, 5% para Lazer, 5% para Gastos Diversos. Claro que esses percentuais referem-se a um consolidado médio de todas as famílias brasileiras, cujas estruturas de gastos podem variar muito conforme a classe social. Como o nosso país tem uma baixa renda “per capita” as necessidades básicas, como moradia e alimentação, pesam muito mais nas classes de renda mais baixa e influenciam bastante essa média. No entanto, cada Família que partir para a estruturação do seu Orçamento Doméstico, terá uma participação percentual de despesas distribuídas nos grandes grupos, de acordo a sua condição sócio-econômica. Como vimos, listar Receitas e Despesas, mais do que um cuidado necessário, pode ser uma caixinha de surpresas, especialmente para marinheiros de primeira viagem. A diferença entre os valores orçados e os que realmente são gastos, pode ser muito grande. Com a experiência adquirida, a diferença vai diminuir. No entanto, dificilmente desaparecerá, devido aos imprevistos. Mas não vale a pena desistir. E cuidado: na prática, as Receitas tendem a diminuir enquanto as Despesas quase sempre aumentam... A leitura a seguir, de artigo selecionado publicado originalmente na mídia impressa, aqui atualizado, que trata do assunto com experiências práticas, permite que se entre no espírito da coisa!

“CONTROLANDO OS IMPULSOS CONSUMISTAS”

O dilema é antigo, mas a indefinição persiste por toda a nossa vida. O apelo do consumidor é massificante, e é um tal de a gente sair gastando à toa por aí, comprando toda sorte de quinquilharia que não sobra nada para poupar. Se quando nada sobra já é ruim, imagine quando a gente entra no cheque especial ou fica devendo no cartão de crédito. A procura do equilíbrio é tarefa inglória, exigindo uma mudança de comportamento e um total controle sobre impulsos consumistas e perfeita administração das datas tradicionais de compras. Um consumo por tradição seria por conta daquelas ocasiões em que somos compelidos a consumir por conta de datas comemorativas: Natal, Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças ( essa recente pressão consumista, difícil de negociar com a ditadura dos baixinhos), Dia de Finados ( o preço das flores sobe uma barbaridade e, se bobear, reflete no índice de inflação) e tantos aniversários (conheço gente que comemora o aniversário do cachorro, do automóvel e do dia que acabou de pagar o apartamento). Pergunto eu: que justificativa racional existe para essa febre de presentes e de gastos? Porque sair correndo para comprar provocando aumento de preços e inflação? Como alguns já sabem, eu só compro Ovo de Páscoa no dia seguinte, quando os preços já caíram pela metade e tanto faz a grife do chocolate, desde que seja de boa qualidade, nunca a da mais cara franquia de deslumbrados emergentes. E por acaso para as crianças faz diferença a marca ? Elas querem é a farra de procurar os ovinhos escondidos, coisa que os pais tem preguiça de fazer... Impulso consumista seria o consumo desmesurado, compulsivo e irracional, que, às vezes, até tem algo de tradição no comportamento. Já pensaram quanto custa uma indumentária feminina para ir a um casamento? O tal vestido para o casamento e seus acessórios sai hoje, na média, na base de uns R$ 2.000,00, ou mais, para serem gastos provavelmente em uma única usada, pois, não há mulher que aceite repetir vestido em casamento. Já pensaram quanto renderiam esses R$ 2.000,00 numa aplicação pelo resto da vida? E aposto que, ao invés da sua ida ao casamento, os noivos negociariam sua ausência por uns R$200.00 em dinheiro e nunca mais esqueceriam essa ajudazinha... Na compulsão ao consumo pela boca, quando um casal vai a uma churrascaria rodízio com alguns chopes e sobremesa, deixa lá, após gorjeta, cerca de R$ 120,00. Se fosse a um fast-food comer um esphiha com refrigerante e sorvete, sobrariam R$ 100,00 para botar na Poupança. ... Consumir para adquirir status é outra bobeada. Com o advento das novidades no mundo da informática, fica feio não ter o seu Laptop, apesar de um PC em casa. E, agora, tem que ser um Ipad, Laptop com Pentium i-7, monitor LCD de 19’ HD de 500-G e com Windows-7 com 8G de memória e outros software além de uma Webcam sofisticada. Para que tudo isso, para quem não sabe nem sair de uma tela congelada, que no final de um texto deleta tudo distraidamente ou fica uma fera por que não consegue navegar na Internet? Se fizermos as contas, os mais de R$20.000,00 dessa parafernália computadorizada dobrariam seu valor em seis anos depositados em fundos de investimentos nas sempre maiores taxas de juros do mundo, aqui vigentes, enquanto aplicamos em equipamento ocioso, que nada mais valem após dois anos de obsolescência. Por essas e outras, é que é preciso cuidado com o que se gasta para se dar melhor destino ao dinheiro que sobrar, ou mais importante ainda, se for o caso de faltar dinheiro, não cair na armadilha dos cheques especiais.

BOA SORTE. APROVEITE ESSA OPORTUNIDADE PARA LEVAR A UMA NOVA VIDA FINANCEIRA!

CARO LEITOR SE VOCÊ QUISER ALGUNS MODELOS DE PLANILHAS É SÓ SOLICITAR PELO EMAIL – contato@maximatreinamentos.com.br

Um grande abraço e seja feliz com seu DINHEIRO!!!
Postar um comentário