Cinco lições do Guia do Mochileiro das Galáxias para a vida profissional

Obra escrita por Douglas Adams faz representações metafóricas e profundas sobre a vida real, as situações que enfrentamos, as hierarquias e as firulas sem sentido da sociedade.


"Muito além dos confins inexplorados da região mais brega da Borda Ocidental desta Galáxia, há um pequeno sol amarelo e esquecido. Girando em torno deste sol, a uma distância de cerca de 148 milhões de quilômetros, há um planetinha verde-azulado absolutamente insignificante, cujas formas de vida, descendentes de primatas, são tão extraordinariamente primitivas que ainda acham que relógios digitais ainda são uma grande ideia".
 
Essas são as primeiras linhas da bíblia dos nerds. Ela não fala sobre criação, cosmogonia nem tem um timbre religioso. Mas mesmo assim conseguiu arrebanhar milhões de adeptos mundo afora, com várias características em comum, que encontraram nos escritos a sabedoria para formar uma identidade e reclamar seu lugar no mundo. E é um lugar bem ambicioso... tipo o que é ocupado por executivos e presidentes.

O primeiro livro da série "O Mochileiro das Galáxias" foi escrito em 1978 pelo britânico - mas nada fleumático - Douglas Adams. Na verdade não era para ser um livro, e sim uma série radiofônica, mas depois virou livro. E embora alguns críticos considerem que a saga termina no quarto volume ("Até mais, e obrigado pelos peixes"), outros admitem que "Praticamente inofensiva" é uma parte integrante da famigerada série. E um sexto livro apócrifo, escrito após a morte de Adams por Eoin Coifer ("E tem outra coisa"), almejou juntar-se ao panteão. Enfim, é um pouco complicado explicar, só entende quem lê.

Em linhas gerais, a obra, apesar de esbanjar uma carga considerável de ironia e ter como palco nada menos do que o Universo, faz representações metafóricas profundas sobre a vida real, as situações que enfrentamos, as hierarquias e as firulas sem sentido da sociedade. É como se observássemos de fora como as coisas acontecem no planetinha verde-azulado, cujos habitantes não estão nem aí para o que acontece fora dele, e quem está fora tampouco se importa muito com a Terra - a ponto de demoli-la para construir uma via expressa hiperespacial (uma catástrofe terrível e idiota).

Ah, claro... não podemos nos esquecer do Marvin

A partir da experiência de um olhar externo, existem algumas lições que podem ser encaixadas no cabedal de competências de um bom administrador. Vou relatar aqui pelo menos cinco e vou deixar que os leitores façam as demais considerações após a leitura da série "O Mochileiro das Galáxias".

1. Tenha sempre uma toalha a tiracolo

A toalha é o item mais precioso para um bom mochileiro, que não pode contar muito com itens pesados e de utilização complexa em lugares de difícil sobrevivência.

"[...] você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você - estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e, naturalmente, pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa".
 
Um administrador mochileiro deve sempre contar com algo que lhe será útil em todas as ocasiões: o próprio conhecimento. Não aquele conhecimento especializado, segmentado e fatiado, mas o conhecimento generalista e contextualizado, que lhe permita se sair bem em todas as ocasiões - mesmo as mais perigosas e cruciais para a carreira. Não que devamos abrir mão de nossas especialidades, mas não é sempre que elas vão livrar a nossa cara. Em algumas situações, tudo o que você vai ter à disposição é uma toalha e a criatividade.

2. Não entre em pânico

Essa frase está estampada em letras garrafais no Guia do Mochileiro das Galáxias. Nunca se sabe o que se pode encontrar na amplitude do Universo, portanto qualquer coisa pode surpreender. Numa hora você pode estar diante de três copos de cerveja em um bar qualquer, e na outra pode estar a bordo de uma nave vogon - e sem nenhuma cortesia.

"Parecia um aparelho absurdamente complicado, e esse era um dos motivos pelos quais a capa plástica do dispositivo trazia a frase NÃO ENTRE EM PÂNICO em letras grandes e amigáveis".
O administrador pode ser convidado a conhecer novas tecnologias, pode estar diante de situações completamente desconhecidas, pode ter de lidar com o cliente mais ignorante do pedaço - se ele for competente, pode até ser chamado na sala do presidente da empresa para um bate-papo ou para uma reunião estratégica do Conselho de Administração. Em todo caso, tenha a sua toalha à mão e não entre em pânico.

3. Respostas são insignificantes para as perguntas erradas

42. De acordo com o Pensador Profundo, essa é a Resposta fundamental sobre a Vida, o Universo e Tudo Mais. Mas desde quando isso é uma pergunta?

"- Ó Pensador Profundo, a tarefa que lhe cabe assumir é a seguinte: queremos que nos diga... - fez uma pausa e concluiu: - ...a Resposta!
- A Resposta? - repetiu Pensador Profundo. - Resposta a que pergunta?
- A Vida! - exclamou Fook.
- O Universo! - disse Lunkwill.
- E tudo o mais! - exclamaram em uníssono. Pensador Profundo fez uma pausa para refletir.
- Essa é fogo - disse, finalmente."
 
A Resposta foi dada sete milhões e quinhentos mil anos depois, e não era nada satisfatória. É comum a busca cotidiana por respostas: todos os dias trabalhamos procurando por respostas sem sequer conhecermos - ou formularmos - as perguntas. Quando se dá conta disso, percebe-se que ir atrás da pergunta correta por si só traz muitas respostas. Se o administrador não reflete sobre a sua atividade, sobre o seu trabalho, sobre o que está norteando a sua carreira, ele não passa de um técnico operacional que trabalha burocraticamente em prol de um salário no final do mês, benefícios e folgas nos fins de semana e feriados. E, com isso, torna-se um profissional capacitado, mas infeliz, tal como o robô maníaco-depressivo Marvin.

4. Relaxe e tome uma Dinamite Pangalática

"O Guia do Mochileiro das Galáxias também menciona o álcool. Diz que o melhor drinque que existe é a Dinamite Pangaláctica. Afirma que o efeito de beber uma Dinamite Pangaláctica é como ter seu cérebro esmagado por uma fatia de limão colocada em volta de uma grande barra de ouro".
 
O lazer é tão essencial que pode ser considerado um arquétipo. Todo mundo merece ter o seu "shabat". Mas muita gente diz que o mundo atual é uma correria, que aqueles que dormem serão passados para trás, que bons profissionais não conhecem o fim de semana e tal. Bem, eu digo que o excesso de foco e de esforço não só é improdutivo como também prejudicial para a saúde e para a carreira.
As melhores ideias vêm durante um happy hour, ou após uma noite de sono bem dormida, durante um bate-papo despretensioso ou até mesmo no trânsito. Aquela solução que fez você se debruçar durante horas sobre papeis, documentos e internet para achá-la, geralmente só aparece depois de um momento de sossego. Não há vergonha em descansar, tomar um drinque e ficar de pernas para cima.

5. Nunca... nunca volte para pegar a bolsa

"Ao entrar no elevador, Tricia percebeu que estava levemente preocupada por ter esquecido a bolsa no quarto e pensou se devia voltar depressa e apanhá-la. Não. Provavelmente estaria mais segura lá dentro e, de qualquer forma, não havia nada na bolsa que ela estivesse precisando. Deixou a porta fechar-se atrás de si. Além do mais, repetiu para si mesma, respirando fundo, se havia uma coisa que a vida a ensinara era isso: nunca volte para buscar a sua bolsa".
 
As melhores oportunidades podem ser desperdiçadas quando você percebe que esqueceu algo e volta para buscar. Voltar para buscar aquele curso de inglês quando há uma oportunidade de fazer um intercâmbio, para fazer outra graduação por achar que "essa não é bem o que eu queria" ou - literalmente - voltar para apanhar a bolsa, podem ser um revés grave na carreira. Em vez de viajar pelas galáxias, o profissional pode viver fadado a rotinas chatas em empresas que não gosta para poder dar o leite do filho no final do dia. Tudo por causa de uma oportunidade de ouro perdida.
Lembre-se de que a única coisa que você precisa é a toalha - se você estiver sem ela e precisar voltar para buscá-la, então você é um péssimo mochileiro. Ao aparecer uma chance de sair do lugar, esqueça o que ficou para trás e prossiga sem pestanejar. Qual a diferença que uma bolsa fará quando você estiver a bordo de uma nave movida a um gerador de improbabilidade infinita?
Postar um comentário