A verdadeira Guerra dos Tronos

Blogueira e historiadora discute possíveis inspirações de George R.R. Martin

por Luciana Galastri

Editora Globo
Eduardo IV, o Robb Stark 'da vida real' // Crédito: Wikimedia Commons
Jamie Adair, historiadora canadense e blogueira, conheceu a obra de George R.R. Martin “Uma canção de gelo e fogo” como boa parte dos brasileiros: depois que a série Game of Thrones estreou na TV. Depois da primeira temporada, ela já estava completamente apaixonada pela narrativa e passou a ler todos os livros. Mas o motivo dessa identificação é um pouco maior do que uma atração pelo gênero de fantasia medieval: segundo Jamie, a história de Martin é inspirada em eventos históricos reais, principalmente na chamada “Guerra das Rosas”.

A “Guerra das Rosas” é uma série de conflitos pelo trono da Inglaterra de 1455 até 1485. Duas famílias, os Lencasters (com o brasão da rosa vermelha) e os Yorks (que ostentavam a marca da rosa branca), disputavam o lugar mais alto no conselho real, enquanto o rei de direito, Henrique VI, ainda era muito jovem para governar.

Jamie diz ter percebido pontos em comum entre a Guerra das Rosas com a Guerra dos Tronos antes da série começar, só de ver as chamadas do programa na TV. Ao ver a saga e perceber que as similaridades aumentavam, ela criou o blog “History behind the Game of Thrones” (A história por trás da Guerra dos Tronos, em tradução livre). Lá ela reúne suas teorias sobre eventos históricos que podem ter inspirado Martin. “Eu adoro a série e a Guerra das Rosas e então pensei ‘por que não’? Assim quem acessa meu blog pode aprender algo e se apaixonar tanto por estes assuntos quanto eu”, conta.

Se o nome das famílias “Lencaster” e “York” já não foi similar o suficiente com “Lannister” e “Stark”, confira os principais pontos da teoria de Jamie (avisamos: existem spoilers para quem não leu todos os cinco livros):

“Acredito que ‘A canção de gelo e fogo’ e´altamente inspirada na vida de Eduardo IV, incluindo a forma com que ele chegou ao trono, o conflito causado por seu casamento, o conflito de 1470 com seu irmão e a forma com que o trono dele foi tomado por Ricardo III em 1483". Jamie exemplifica:

- Da mesma forma que Robb Stark, Eduardo era muito jovem (18 anos) quando seu pai, Ricardo de York, entrou em conflito com um inimigo que acreditava não ser justo. Assim como Ned Stark, Ricardo de York foi morto de uma forma humilhante - seus carrascos penduraram sua cabeça em uma lança e colocaram uma coroa de papel nela. Procurando vingança, mais do que o trono, Eduardo buscou destronar o Rei, como Robb. Mas, ao contrário de Robb, ele consegue seu objetivo.

- Robb também age como Eduardo quando casa com Jeyne Westerling (Talisa Maegyr na série de TV) e quebra sua promessa de casar com uma filha de Walder Frey. Eduardo desmanchou seu noivado com a cunhada de um rei francês, Luis XI, chamada Bona de Savoy, para casar com Elizabeth Woodville. Isso obrigou seu primo, que havia arranjado o noivado com os franceses, a pedir desculpas oficialmente. Consequentemente, esse primo chamado Warwick ficou revoltado com Eduardo por ter sido humilhado e o traiu (como Walder Frey faz com Robb) causando uma guerra civil em 1469. Eduardo não perdeu a cabeça como Robb, mas, por quebrar a sua promessa e casar com a ‘noiva errada’, perdeu a coroa (e ganhou o trono novamente em 1471).

- Martin também cria dois conflitos entre três irmãos que podem ser inspirados na relação de Eduardo com seus irmãos. O caso mais parecido é o de Robert, Stannis e Renly Baratheon, mas relações também podem ser traçadas entre Robb Stark, Jon Snow e Theon Greyjoy - apesar de Jon ser um bastardo e Theon ser de outra família, os três são criados como irmãos.

Na história real, entre os irmãos Eduardo IV, Ricardo III e George, o Duque de Clarence, houve guerra, ódio e assassinato. Theon trai Robb por causa de seu pai biológico, Balon Greyjoy. Da mesma forma, George traiu Eduardo por uma figura que considerava seu pai - seu primo Warwick que, assim como os Greyjoy, era um ‘homem do mar’, acusado até de pirataria. Eventualmente, Eduardo perdoou Clarence, mas, depois de alguns anos, eles começaram a se desentender novamente por razões misteriosas. O Rei então ordenou a morte de seu irmão - o que, provavelmente, o destruiu emocionalmente.

Depois desse episódio, Eduardo passa a se comportar como Robert Baratheon - exagerando na comida, na bebida e no sexo com prostitutas. Eduardo morre depois de comer muito em uma pescaria. Robert morre depois de beber muito em uma caçada.
Editora Globo
Henrique VII - Daenerys? // Crédito: Wikimedia Commons
Com a morte de Eduardo, da mesma forma que acontece depois da morte de Robert, não se sabe quem irá assumir o trono. Ricardo III então fica com a guarda dos filhos de Eduardo e os tranca em uma torre. Depois afirma que nenhum deles era filho legítimo de Eduardo (assim como Jon Arryn e Ned Stark descobrem que os herdeiros do trono são 100% Lannister). Os “príncipes da Torre”, como foram chamados, sumiram misteriosamente e suspeita-se que Ricardo tenha os matado.

Esse evento fez com que Henrique Tudor (que depois se tornaria Henrique VII) invadisse a Inglaterra usando um exército que contratou (como Daenerys?).

- O Casamento Vermelho, que chocou tanta gente, teria sido inspirado por Heworth Moor. A família Neville, um dos maiores clãs da Inglaterra, voltava de uma celebração de um casamento com um grande contingente. A noiva, no entanto, era filha de um lorde que havia recebido terras do rei pertencentes a outra grande família do norte, os Percy. Os Percy contrataram homens e se prepararam para fazer uma emboscada e atacar toda a comitiva. No entanto, ao verem a guarda dos Neville, preferiram fazer um acordo - ao contrário dos Frey, que mataram todos os homens dos Stark. Outras inspirações são o Jantar Negro da Escócia e o Massacre Glencoe.
Além da Guerra das Rosas
- Os Sete Reinos de Westeros podem ter sido inspirados na Heptarquia da Inglaterra.

- A Muralha pode ter sido inspirada pela Parede de Hadrian, uma estrutura defensiva erguida no meio da Inglaterra durante o período de 100 d.C. Isso casaria com um possível confronto entre o “Povo Livre” (wildlings) e o reino ‘do Sul’.

- A quantidade exagerada de gelo “ao norte da Muralha”, pode ser uma referência à Escócia. Escoceses eram considerados um grande problema durante a Guerra das Rosas, invadindo territórios que não pertenciam a eles, como o Povo Livre na história de Martin. Houve um período de frio intenso nessa época que não pode ser descrito como o grande inverno dos livros, mas que foi chamado de “Pequena Era do Gelo”.

- A tensão entre os Velhos Deuses e os Novos Deuses dos reinos de Martin também podem ser comparados com a tensão entre os pagãos e os cristãos nesse período da Inglaterra.

Possíveis spoilers para quem não leu o livro: 

Perguntamos à Jamie qual é a sua teoria, baseada na história, sobre quem irá vencer a Guerra dos Tronos. “Eu tenho até medo de chutar, já que o George Martin adora reviravoltas em sua trama. Mas eu acredito que a Daenerys irá conseguir o Trono de Ferro e que, de alguma forma, ela vai acabar casando com o Jon Snow. Então eles governariam juntos. Acho que a Daenerys tem muitos elementos do Rei Arthur das lendas e, ao mesmo tempo, é inspirada em Henrique VII”, revela.
Postar um comentário