Vou parar de correr atrás do vento

A história de comer vento e correr atrás do vento tem sido debatida exaustivamente por causa do livro de Eclesiastes, em que a expressão “correr atrás do vento” aparece nove vezes.
 
Tenho corrido atrás do que já possuo, tenho corrido atrás de novidades, tenho corrido atrás do nada, tenho corrido atrás de realização, tenho corrido atrás dos outdoors, tenho corrido atrás das multidões.
 
Eu e todo mundo fazemos isso o dia inteiro, o ano inteiro, a vida inteira. No fim do dia, no fim do ano, no fim da vida, estou sempre de estômago vazio, mãos vazias, mente vazia e alma vazia, pois o vento nada mais é do que o ar em movimento. Nunca o alcanço porque ele não para de correr e corre mais depressa do que eu.
 
O profeta Oseias diz que Efraim alimenta-se de vento (Os 12.1). Cheguei à conclusão de que comer comida de porco – como o filho pródigo – é melhor do que alimentar-se de coisa nenhuma.
 
De hoje em diante, com a ajuda de Deus, vou deixar a miragem do vento de lado e correr atrás do Senhor. Ele não corre como o vento e se deixa alcançar. Ele não é uma miragem fugaz, mas uma realidade contínua. Portanto, eu me ligarei a ele com vontade, com firmeza, com disposição.
 
Minha ligação com o Senhor tem de ser igual à ligação dos ramos com a videira. Por meio dessa ligação a seiva passa da videira para o galho, do galho para os brotos, dos brotos para os frutos (Jo 15.5). E dos frutos eu faço o vinho.
 
Minha ligação com o Senhor me torna membro do seu corpo, que é a igreja (1Co 12.27). Minha ligação com o Senhor me torna filho de Deus e, se eu sou seu filho, claro, sou seu herdeiro e também co-herdeiro com Cristo (Rm 8.17). Minha ligação com o Senhor torna aceitáveis as minhas orações, e o pedido que eu lhe fizer será atendido (Jo 15.7). Minha ligação com o Senhor me torna mais do que vencedor e nada poderá me separar dele – nem a morte, nem a vida; nem os anjos nem outras potestades ou poderes celestiais; nem o presente nem o futuro; nem o mundo lá de cima nem o mundo cá de baixo (Rm 8.38-39). Minha ligação com o Senhor me conservará em perfeita paz, porque minha confiança nele é contínua. Minha ligação com o Senhor me faz repousar em pastos verdejantes e me leva para junto das águas de descanso, deixa-me tranquilo quando eu começo a atravessar o vale da sombra da morte (Sl 23.1- 4). Minha ligação com o Senhor começa na margem de cá do Jordão e continua do outro lado, onde Jesus me espera depois de ter estado comigo aqui (Fp 1.21-26).
 
Quando eu corria atrás do vento tudo era rotina, tudo era enfado, tudo era canseira, tudo não levava a nada. Agora, quando vou deixar o vento correr sozinho, desapegando-me de emoções transitórias, “corro direto para a linha de chegada a fim de conseguir o prêmio da vitória” (Fp 3.14), pois cheguei a entender que o fim principal do ser humano é conhecer o Senhor, ligar-se ao Senhor e gozá-lo nesta e na outra vida!
Postar um comentário