Encontraram a localização dos Jardins Suspensos da Babilônia


Gravura (Foto: Gravura)



































































































































































































A



Dr. Stephanie Dalley,
 da Universidade de
Oxford, encontrou a localização original de uma das sete maravilhas do mundo antigo: os Jardins
Suspensos da Babilônia. Durante séculos, acadêmicos e historiadores permaneceram ignorantes
 sobre a localização exata dos Jardins. Agora, Dalley diz ter resolvido um dos grandes mistérios
da humanidade: os Jardins Suspensos ficavam no que é hoje uma das áreas mais perigosas do
 mundo, na área assíria conhecida anteriormente como Ninevah, que hoje fica no norte do Iraque.
Com a pesquisa, Dalley descobriu também que quem construiu os jardins não foi o rei
babilônio Nabucodonosor, mas o monarca assírio Sennacheribe, há 2.700 anos. Assírios e
babilônios eram inimigos. Não se sabe quando os Jardins foram destruídos, mas não dá
pra esperar muito: a única maravilha do mundo antigo que ainda está de pé é a pirâmide de
Guizé, no Egito.
A capital do reino neo-assírio, Ninevah, hoje é uma área conhecida como Mosul, que ainda
é assolada por violência étnica e religiosa. A equipe de Oxford viajou para a região mas
considerou perigoso demais visitar o lugar exato dos jardins. No entanto, a Dr. Dalley
organizou uma equipe cinematográfica local que visitou a antiga Ninevah e fez imagens
de lá. As filmagens deixaram-na convicta: os jardins foram ali.
Dalley estuda os Jardins Suspensos da Babilônia há mais de 20 anos. Como nunca foram
encontradas evidências arqueológicas da maravilha do mundo antigo, muitos estudiosos o
colocam na mesma categoria de Atlântida: a de mito. Dalley diz que o motivo é que os
 acadêmicos estiveram procurando no lugar errado: os Jardins Suspensos foram construídos
 por outro povo, outro rei e em outra localidade. Ela usou informações de escritas cuneiformes -
ela é uma das poucas pessoas do mundo capazes de ler o tipo de escrita.
Postar um comentário