Governo do Estado de RO investe em Turismo Cultural com a valorização do patrimônio histórico

Governo do Estado investe em Turismo Cultural com a valorização do patrimônio histórico

Governo do Estado investe em Turismo Cultural com a valorização do patrimônio histórico

O Governo do Estado, por meio da Superintendência Estadual de Turismo está investindo nos pontos turísticos que contemplam o patrimônio histórico e cultural de Rondônia.Depois de lançar na semana passada em parceria com os Correios, o selo comemorativo dos 100 Anos de Porto Velho, a Setur está desenvolvendo atividades que visam divulgar outro importante marco da história rondoniense.
Trata-se da Expedição Rondon-Roosevelt que nesta quarta-feira 26, faz 100 anos que atingiu a nascente do Rio da Dúvida (atual Rio Roosevelt), em Vilhena.
A Expedição Científica Rondon-Roosevelt, que ocorreu entre 1913-1914 teve como líderes Marechal Cândido Rondon e Theodore Roosevelt.
Segundo o superintendente de Turismo do Estado, Júlio Olivar, Rondônia é um estado rico em turismo cultural pela presença de um importante patrimônio histórico que expressa a memória e a identidade da sua  população.
“Faz cem anos que Expedição Rondon-Roosevelt atingiu a nascente do Rio da Dúvida (atual Rio Roosevelt), em Vilhena, e devemos recordar essa data porque foi uma das mais significativas e repercutidas expedições científicas já ocorridas no Brasil”, destaca ele.
História – Rondon descobrira o rio numa expedição anterior para construção de uma linha telegráfica, porém a Expedição Científica Rondon-Roosevelt foi a primeira a explorar o longo curso do “Rio da Dúvida”.
O plano inicial de Roosevelt era viajar para Argentina e Brasil, além de fazer um cruzeiro pelo Rio Amazonas, mas a sugestão do governo brasileiro foi que Roosevelt acompanhasse o Marechal Cândido Rondon em uma exploração através do Rio da Dúvida, na selva amazônica.
A expedição iniciou em Cáceres, margem do Rio Paraguai em Mato Grosso, com 15 pessoas. O presidente Roosevelt e o Marechal chegaram a matar centenas de onças pintadas (hoje em extinção), pois encaravam a caça ao animal como um prestígio.
Chegaram às margens do rio da Dúvida em 27 de fevereiro de 1914. A partir daí, devido à falta de alimentos, a expedição se dividiu em duas, e enquanto uma continuava pelo rio da Dúvida, a outra seguia pelo rio Madeira.
A expedição começou a ter problemas com insetos e doenças como a malária; até mesmo Roosevelt estava com muitas feridas e perto da morte, mas conseguiram abrigo com os seringueiros da região.
Texto: João Albuquerque
Ilustração: Fernando Fontes
Fonte: Assessoria Setor
Decom- Governo de Rondônia
Postar um comentário