Como e por que foram esculpidas as faces dos presidentes americanos no monte Rushmore?

As gigantescas esculturas, com mais de 18 metros de altura cada uma, foram feitas com o uso de muita dinamite. O curioso é que o monte Rushmore - no estado americano de Dakota do Sul - poderia ter recebido outras faces. Em 1923, o historiador Doane Robinson, da Sociedade Histórica de Dakota do Sul, teve a idéia de esculpir, no monte, a figura de várias personalidades do velho-oeste americano, como Búfalo Bill.
O escultor Gutzon Borglum - ex-aluno do grande escultor francês Auguste Rodin (1840 - 1917) - gostou do projeto mas propôs que a homenagem fosse feita a ex-presidentes do país, com o intuito de atrair a atenção e o apoio dos sempre patrióticos americanos. O conselho foi aceito e a construção das imensas faces de George Washington (presidente de 1789 a 1797), Thomas Jefferson (1801 a 1809), Abraham Lincoln (1861 a 1865) e Theodore Roosevelt (1901 a 1909) - quatro dos ex-presidentes mais importantes e conhecidos até então - começou em 1927. O granito do monte Rushmore está entre as pedras mais duras do mundo. Por isso, 90% das rochas, cerca de 450 mil toneladas, foram retiradas com dinamite.
O resto teve que ser talhado com cunhas de aço, cujas marcas foram removidas depois com pequenos revólveres de ar. As esculturas demoraram 14 anos para ficar prontas e, apesar da perigosa rotina de trabalho, nenhum operário morreu. O cenário do monte Rushmore foi imortalizado no filme Intriga Internacional, dirigido por Alfred Hitchcock em 1959. O diretor não teve autorização para fazer a seqüência final no monumento e construiu parte do cenário em estúdio. Hitchcock queria filmar uma perseguição no nariz de Lincoln, mas os responsáveis pelo parque onde ficam as esculturas consideraram que a situação seria embaraçosa para a reputação do monumento...