Pós Guerra de Canudos, surge no Centro do Rio a primeira favela do país, em 1897

Após Guerra de Canudos, surge no Centro do Rio a primeira favela do país, em 1897


Primeiros moradores do atual Morro da Providência eram soldados que voltaram da Bahia, onde a planta faveleiro era farta. Comunidade, hoje com UPP, vive cenas de violência








O Morro da Providência é considerado o marco zero das favelas cariocas. De acordo com o historiador Milton Teixeira, o início da ocupação ocorreu em 1897, quando soldados que haviam participado da Guerra de Canudos (conflito entre o Exército brasileiro e sertanejos da comunidade antirrepublicana criada pelo líder religioso Antônio Conselheiro), no interior da Bahia, se instalaram no morro. Eles deram ao local um nome que acabaria designando as formações urbanas implantadas nas encostas não só no Rio como em todo o país.

— Em Canudos, os soldados haviam ficado numa região chamada Morro da Favela, que tinha esse nome devido a uma planta leguminosa chamada faveleiro. Quando chegaram ao Rio, eles rebatizaram o lugar onde foram morar como Morro da Favela — afirma Teixeira.
Localizada atrás da Central do Brasil, entre o Santo Cristo e a Gamboa, a comunidade também abrigou ex-escravos e ganhou visibilidade cultural com o lançamento, em 1916, da música “Morro da Favela”, e o filme “Favela
dos meus amores”, rodado em 1935 por Humberto Mauro quase integralmente ali.

Ao longo do século XX, porém, a comunidade se transformou em uma das mais perigosas da cidade. Em 30 de agosto de 1948, O GLOBO noticiava um crime com um morto no Morro da Favela. Alguns anos depois, em 21 de março de 1963, uma notícia mostrava a importância que a Providência havia conquistado no mundo do crime: numa única operação, que mobilizou 500 policiais, cães adestrados, um helicóptero e rádios transmissores a polícia prendeu 223 pessoas, localizou uma rádio clandestina e apreendeu grande quantidade de armas e produtos contrabandeados.

Uma tragédia de grandes proporções foi registrada em 29 de dezembro de 1968, quando uma explosão de dinamite derrubou mais de 20 barracos no Morro da Favela, deixando pelo menos sete mortos e 600 desabrigados.

O atual Morro da Providência foi ocupado pela PM em 22 março de 2010, sem o disparo de um tiro sequer. Um mês depois, ali foi implantada uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), em 26 de abril. Já a inauguração de um teleférico pela prefeitura ocorreu em julho de 2014. As iniciativas, entre outras obras, faziam supor que a vida na comunidade de mais de 4 mil habitantes iria ficar mais tranquila, mas os conflitos entre policiais e bandidos continuaram acontecendo.

Fonte. O globo.